Apelo Global para Refugiados Palestinos: Não esqueceremos nossos direitos … Estamos voltando...

Apelo Global para Refugiados Palestinos: Não esqueceremos nossos direitos … Estamos voltando | 18 a 26 de setembro de 2020

Lançamos esta declaração na véspera da dolorosa memória dos massacres de “Sabra e Shatila” e os massacres de setembro na Jordânia [setembro negro], a fim de organizar um movimento popular palestino, árabe e internacional entre 18 e 26 de setembro de 2020 para proteger os direitos dos refugiados palestinos no caminho para a libertação da Palestina do rio ao mar. Defendendo o direito de retorno às suas casas e lares na Palestina por meio da luta, resistência e ação popular unificada, e tudo o que for necessário para enfrentar os projetos de normalização que visam liquidar a causa palestina.

Convidamos organizações, associações e partidos para aderir a este chamado e movimento popular palestino internacional. Solicitamos que assinem a declaração, assim como as demais que já fortalecem a convocação para a organização do movimento popular entre 18 e 26 de setembro / setembro de 2020, como:
Rede Samidoun para Defender os Direitos dos Prisioneiros Palestinos, Centro Negev para Atividades Juvenis no Campo Burj Al-Barajneh (Líbano) Fórum de Xadrez Palestino no Campo Shatila (Líbano) Aliança pelo Direito de Retorno (EUA) Movimento Juvenil Palestino (América do Norte), Movimento das Mulheres Palestinas – Dignidade (Espanha) Campanha Internacional pelo Direito de Retorno, Estudantes pela Justiça na Palestina (filiais dos Estados Unidos) Organização em Nossas Vidas – Unidos pela Palestina (Nova York) Liga Palestina triunfará (França) Aliança de Nova York pela Palestina, Euro Palestina (França) Rede Internacional de Judeus Contra o Sionismo (Canadá) Fórum Internacional (Dinamarca) Muslims for Palestine (New Jersey) Action Network for Palestine, Forum Palestine – Charlua (Bélgica) Independent Jewish Voices (Toronto) Amigos da Palestina Contra o Imperialismo e Sionismo, Organização de Solidariedade Feminina Palestina (Toronto) Rede de Ação contra o Imperialismo (Irlanda) Movimento Juvenil Palestino (Berlim) União Árabe Palestina Democrática (Itália).

Esta campanha popular prevista para acontecer entre 18 e 26 de setembro vem a celebrar os mártires da Palestina nos campos de Sabra e Shatila de 1982 e os mártires dos massacres de setembro na Jordânia em 1970, assim como para denunciar os traiçoeiros Acordos de Oslo (13 de setembro de 1993) e as tentativas de atingir os direitos do povo palestino e sua luta legítima por retorno. Estes serão dias de ação palestinos, árabes e internacionais – para reafirmar os direitos políticos, culturais e econômicos dos refugiados palestinos em todos os lugares, principalmente o direito de retorno às suas casas na Palestina e o de recuperar suas terras e propriedades saqueadas – no caminho para alcançar a libertação do povo e da terra palestina.
Este apelo surge no meio de uma escalada de campanha raivosa americano-sionista em andamento e em estreita cooperação com os regimes árabes reacionários da região para liquidar os direitos palestinos, especialmente com o anúncio de um acordo para normalizar as relações bilaterais entre a entidade de ocupação e os Emirados Árabes Unidos, e em face do colapso e fracasso do projeto de liquidação de Oslo e as políticas da autoridade.

Além disso, há a desastrosa Autoridade Palestina que segue cooperando e coordenando a segurança com a entidade sionista.

Centenas de milhares de palestinos e palestinos sacrificaram suas vidas e foram encarcerados nas prisões da ocupação em luta pelo direito de retorno e da libertação. O fizeram pelo bem de uma Palestina democrática em todo o solo nacional palestino, e hoje a única liderança nacional confiável é a resistência palestina e o movimento cativo palestino nas prisões da ocupação, que confrontam e enfrentam políticas diárias de opressão e liquidação e nos chamam a cumprir nosso papel e nosso dever em todo o país e na diáspora.

A normalização desses “acordos” com a ocupação são pretextos e justificativas para expandir o ataque criminoso ao povo palestino e seus direitos, coincidindo com a escalada dos bombardeios quase diários e a contínua agressão sionista na sitiada Faixa de Gaza. 70% dos palestinos no setor de resistência são refugiados que foram desenraizados de suas terras e que têm seus direitos negados há 72 anos.

Este é o momento para uma ação urgente e ampla em todos os cantos do mundo, para proteger os direitos palestinos. Apelamos a todos os apoiadores da Palestina e convocamos as campanhas de boicote internacional contra a entidade sionista, associações e organizações populares palestinas, jovens, estudantes, mulheres e as forças de solidariedade com o povo palestino para se juntar a este esforço e participar ativamente desta campanha que acontece na semana de 18 a 26 de setembro.

Vamos trabalhar juntos para proteger a Palestina: o povo, os direitos e a causa.

Vamos nos unir em nossos esforços comuns e em todos os lugares. Vamos levantar nossa voz contra os projetos de fechamento de capital, normalização e liquidação da Palestina e dos direitos dos palestinos.